domingo, 25 de outubro de 2009



Guardei água de rio em uma garrafinha. Em segredo. Passavam os dias e eu ia tomando. Cada dia algumas gotinhas a mais. Pois te digo, aqui dentro está estranho. Tô tão grande. O rio levou os pensares constates, curou a ferida da alma e clareou um caminho. Me sinto enorme. Sossego vem em água de rio?

Um comentário:

B. Fleischer disse...

nao gostei mto da fotografia, mas o texto... pequeno e diferente do q eu conheço de lucas. e, mesmo assim, mto bom! adorei tbm