segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Dança, mago, coração


Exímio feiticeiro:
Girou mundo,
Me fez pião.
O pano de chita na cabeça ,
Colorido coração.

E se por apenas aquele instante,
Se para nunca o sempre,
Ao menos,um traçado de grafite.
Uma nova linha,
Escrita em cheiros
existentes,
amados.
Inteiros.

Assim, uma vez.
De perto,
aquele escrito não seria de grafite.
Mágico, fazia de desenhos,
canções e
de papel branco,
passarinhos coloridos.

De uma dança,
as cores do pano de sua cabeça
Eram epifanias embrulhadas, regalos de alma,
Estava vivo e pulsava,
Eram meus ,
em acordes conhecidos.

Lucas Galati

Um comentário:

Li disse...

ai


(não de coração falando esperanto...
mas ai de bonito, de leveza (do mundo nas costas),


e de ciúmes até, eu confesso)



(e o texto tinha que levar praí, droga.)